Encontre empresas, produtos e entretenimento


Categoria: Será que meu pet já é idoso?

E agora?

 O envelhecimento é um processo natural e os nossos peludos também envelhecem. Eles podem ser considerados idosos quando já viveram mais de ¾ da expectativa de vida deles. Assim como nós, o cão idoso sofre os impactos da chegada da idade madura e é provável que você já tenha notado alguns desses sinais. Andam mais devagar, não sobem com tanta facilidade no sofá, não enxergam ou escutam tão bem, podem ficar mais dorminhocos e preguiçosos.

Mas esta etapa da vida do pet é também maravilhosa. Ao contrário dos filhotes, já sabem fazer as necessidades no lugar certo, gostam mais de carinho (ficam mais carentes) e estão acostumados com a rotina da casa. Por isso, merecem muito carinho, atenção e cuidados com a saúde e o bem-estar.

 

Cuidados preventivos: superalimentos

A qualidade de vida nessa etapa da vida do pet irá depender muito dos cuidados preventivos oferecidos. Além dos citados acima, é muito importante oferecer um suplemento natural que melhore a saúde e o bem-estar, além de reduzir o aparecimento de doenças. Alguns alimentos vão além de suas funções nutricionais básicas, contribuindo para a saúde dos pets.

A Botica Pets reuniu 8 superalimentos em uma só fórmula natural, livre de conservantes, que é indicada por veterinários e certificada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). 

 A composição da Fórmula Geriátrica inclui: ginkgo biloba (melhora da função cognitiva) + romã (antioxidante e cardioprotetor) + calêndula (anti-inflamatória, calmante e antimicrobiana), levedura de cerveja (melhora a digestão) + acerola (estimula as defesas naturais) + alho (ação germicida e na melhora da circulação) + alcachofra (ação digestiva e antioxidante) + guaraná (estimulante e antioxidante). 

 

 Mas por que oferecer uma fórmula específica para o cão idoso?

 Manter a qualidade de vida de animais idosos é muito importante para que eles possam passar mais tempo ao nosso lado e com muita saúde. No entanto, os pets com idade avançada podem apresentar maior dificuldade para se movimentar, pular, comer e até para enxergar. Além disso, mudanças de comportamento também podem ser associadas ao envelhecimento.

 Uma delas é a mudança de temperamento. Um cão que sempre foi dócil, pode ficar mais impaciente quando mais velho, assim como nós. O processo de envelhecimento pode causar a perda progressiva das funções sensoriais, devido à “morte” dos neurônios, com alterações no cérebro parecidas com as que o Alzheimer provoca nos seres humanos. Trata-se de uma doença conhecida como Síndrome da Disfunção Cognitiva.

 Neste caso, o cão pode apresentar: desorientação (ficar perdido em locais com que já era familiarizado), alteração de sono (ficar acordado a noite toda e dormir o dia todo), perda de memória (esquecer comandos já aprendidos e realizados a vida toda), falta de atenção, ansiedade, irritabilidade e excesso de vocalização (choros ou uivos).

 Saiba a seguir como os ingredientes naturais presentes na Fórmula Geriátrica podem ajudar a prevenir e tratar o seu pet idoso.

 

Conheça o suplemento Geriátrico e seus benefícios: 

 Ginkgo Biloba: melhora da função cognitiva em cães idosos, devido à sua função neuroprotetora, diminuindo assim a degeneração neurológica. Possui ampla ação antioxidante e de aumento do fluxo sanguíneo cerebral, sendo efetivo no alívio de sintomas da disfunção cognitiva em cães idosos. Sua administração é bastante segura, já que apresenta baixa toxicidade. Protege os neurônios e promove a retenção da memória de curto prazo. Ajuda a reduzir a ansiedade, desorientação, mudança de hábitos noturnos e outros problemas comuns em animais idosos. Também auxilia na manutenção da vista e a evitar espasmos musculares.

 Romã: possui alta concentração de polifenóis, que são antioxidantes, tornando o efeito sobre os radicais livres especialmente potente e inibindo, por exemplo, a proliferação de células tumorais. Possui alto teor de fibras, potássio, ácido fólico e vitamina C. Tem efeito cardioprotetor.

 Calêndula: auxilia no tratamento de inflamações no trato digestivo e urinário, restabelecendo a saúde das membranas mucosas que constituem esses órgãos e ajudando a prevenir úlceras gástricas. Sua capacidade para estimular a cicatrização é o principal benefício pelo qual a calêndula é conhecida.

 Levedura de cerveja: é considerada um modulador do sistema imunológico por estimular as defesas naturais. Ajuda a melhorar a digestão do pet, facilitando a quebra e absorção dos alimentos.

 Acerola: fonte de vitamina C e antioxidantes, que ajudam a fortalecer o sistema imunológico. Também funciona como um adstringente para distúrbios hepáticos e neutraliza radicais livres. Auxilia no fortalecimento do sistema imunolo?gico, aumentando a resistência às infecções. Facilita a formação de colágeno, melhorando a cicatrização.

 Alho: auxilia na eliminação de toxinas, tem ação germicida e estimula o sistema imunológico.  Também melhora a circulação sanguínea e ajuda a manter níveis saudáveis de colesterol.

 Alcachofra: facilita a digestão por estimular o fígado. Aumenta a produção e liberação da bile, promovendo a eliminação de toxinas e a regulação do intestino.

 Guaraná: atua como um “estimulante”, aumentando a resistência nos esforços musculares e diminuindo a fadiga motora. Tem ação antioxidante, estimulando o sistema imunológico e combatendo doenças oportunistas. É rico em catequina que é uma substância que combate os radicais livres, tendo efeito antioxidante, prevenindo o envelhecimento.

 

 Quer saber mais sobre a fórmula da Botica Pets?

Acesse: https://www.boticapets.com.br/formula-geriatrica

 

Tal pai tal filho: seu estresse pode estressar seu cão
03/09/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

De acordo com estudo realizado pela Universidade de Linköp, os cães não só sentem o estresse dos seus tutores como se estressam junto com eles, isso porque, o estudo demonstrou que o nível do hormônio cortisol, conhecido como hormônio do estresse, também aumenta nos cães, quando isso ocorre com seus familiares.

Por isso, é preciso ter atenção a alteração de hábitos do cão como, latidos excessivos, medo, pânico de ficar sozinho, entre outros. Caso isso aconteça e se seu tutor apresentar um quadro de estresse, há um forte indício de que o pet está compartilhando do mesmo problema.

Neste caso, é importante tomar medidas para evitar que o estresse do tutor comprometa a saúde do filho de quatro patas, desde a necessidade de manter uma rotina de autocuidado, até medidas para acalmar o pet.

Confira mais informações sobre o estudo e também nossas dicas de cuidados para evitar ou amenizar o estresse do peludo:

 

O estudo

Segundo informações da BBC News Brasil, o estudo realizado por cientistas da Universidade de Linköping, na Suécia, constatou que donos de animais de estimação estressados podem influenciar o estado emocional de seus cães. A descoberta baseou-se em uma análise da presença de cortisol no organismo das pessoas e de seus pets. De acordo com a bióloga Lina Roth, uma das responsáveis pela pesquisa, os cães e os donos "sincronizam" seus níveis de estresse a longo prazo, isso quer dizer que a personalidade do dono afeta as concentrações de cortisol nos cães.

Trata-se de um efeito do processo de domesticação dos cães, o que os levou a se tornarem seres dependentes dos humanos, inclusive emocionalmente. É como se o cão espelhasse o estresse de seu dono. O estudo acompanhou 58 cães das raças Border Collie e Pastor de Shetland e suas donas. A partir de amostras de cabelo das proprietárias e dos pelos de seus cães, foi analisada a concentração de cortisol em duas ocasiões diferentes. As raças escolhidas têm em comum a capacidade de interagir bem com seres humanos, respondendo com precisão e rapidez aos sinais.  

O resultado da pesquisa

Os pesquisadores descobriram que, à medida que o pelo cresce, o cortisol da corrente sanguínea é gradualmente incorporado e, a partir de amostras de cabelo, eles conseguiram analisar os níveis de estresse ao longo de meses. As tutoras dos cães também responderam um longo questionário com perguntas da personalidade - tanto delas, quanto de seus cães. A partir dessas análises, descobriu-se que os níveis de cortisol a longo prazo no cão e em seu dono foram sincronizados, de modo que os proprietários com altos níveis de cortisol têm cães com altos níveis de cortisol.  

Como deixar o pet mais tranquilo?

A primeira coisa a se fazer é o autocuidado: se seu estresse está afetando o pet, que tal ser mais atencioso consigo mesmo?

Outra dica é o cuidado natural com o pet, a partir do uso de suplementos naturais, opte por algum que tenha como base o maracujá pois, ele pode trazer inúmeros benefícios para ajudar no tratamento de diversos problemas.A ansiedade, a hiperatividade, agitação noturna e problemas de sono, por exemplo, considerado um calmante natural, o maracujá possui propriedades ansiolíticas (atuando contra irritabilidade e hiperatividade) e antiespasmódicas (que suprime a contração do tecido muscular liso, promovendo conforto digestivo para ajudar a acalmar o animal). Também melhora a concentração do pet para o adestramento e a realização de exercícios. Entretanto, esta planta e seu fruto não devem ser oferecidos aos cães diretamente, como alimento.

Preparamos algumas dicas que também podem te ajudar a amenizar o problema, aplique as dicas e aproveite esses momentos com seu pet. Confira:

Dica 1: Passeio: o cão entra em contato com estímulos externos, como outros bichos e sons, cheiros e texturas. O recomendado é passear duas vezes ao dia, uma pela manhã e a outra no final do dia. Agora, se você não tiver tempo para isso, é interessante pensar em contratar um passeador. Ou, outra opção é deixar o animal no day care. Cachorro preso em casa, sem conhecer outros amiguinhos e sem a possibilidade de cheirar para conhecer o mundo, pode ser um estresse.   

Dica 2: Socialização: um dos aspectos mais importantes da vida de um cachorro é a socialização. Por isso, levar o pet para passeios desde cedo (após o fim do protocolo vacinal inicial). É muito bom para uma boa convivência. Além disso, o exercício físico ajuda a reduzir a ansiedade do pet.   

Dica 3: Vínculo emocional: deixar para dar atenção ao cão somente quando tiver tempo pode fazer com que o seu pet se sinta muito sozinho. Isso porque quase nunca sobra horas no dia para fazer isso. Portanto, o importante é incluir o pet na sua rotina. Assim fica menos corrido para você e o peludo ganha atenção diversas vezes ao dia. Para isso, separe um tempo para realizar as atividades que o peludo gosta, como passear ou brincar.   

Dica 4: Enriquecimento ambiental: para os pets que passam muito tempo sozinhos, manter um ambiente com diversas opções de brinquedos interativos é fundamental. Também é importante que o tutor ensine e estimule brincadeiras. 

Dica extra para o tutor: as ações sugeridas também podem te auxiliar a reduzir o seu estresse, pois, nos momentos com o pet você vai conseguir manter a cabeça longe dos problemas com mais facilidade, além de toda a diversão que estar mais perto do seu filho de quatro patas pode proporcionar.

As veterinárias da Botica Pets nos enviaram informações para este texto, conheça a Botica Pets: https://www.boticapets.com.br/

 

Imagem: <a href='https://br.freepik.com/fotos/fundo'>Fundo foto criado por photoangel - br.freepik.com</a>

Como cuidar da saúde do seu pet no inverno?
09/07/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

O inverno chegou! Este é o momento de ficar de olho no comportamento do seu pet, afinal, os nossos amigos peludos também podem sentir frio, a intensidade varia de acordo com o porte e pelagem, por isso, é preciso estar alerta para algumas reações do pet. Caso ele esteja mais quieto, encolhido, com mais apetite e até tremendo, é a hora de escolher uma roupinha bem quentinha e colocar cobertores na caminha ;)

Separamos algumas dicas para que você mantenha a saúde do seu pet em dia e possa curtir as baixas temperaturas com seu melhor amigo, vamos lá?

Banho e tosa: a frequência de banhos no inverno poderá ser menor. Se você costuma dar banho no cachorro toda semana, pode passar a dar a cada quinze dias. Se for em casa, opte pelos horários mais quentes do dia e lembre-se de secar bem todos os pelinhos dele. Em relação à tosa, vale a pena deixar o pelo crescer um pouco nessa época para ajudar na proteção do animal. É preciso investir na escovação diária dos pelos para que não embolem.

Passeios: não é porque está frio lá fora que o seu cachorro pode deixar de passear. Evite os horários mais frios e com chuva. Escolha o momento ideal do dia para uma caminhada com o pet. O horário mais quentinho é sempre próximo da hora do almoço. Se mesmo assim estiver muito frio, vale a pena colocar uma roupinha nos cachorros que têm pelo curto. Certifique-se que a roupa é confortável e que não limita os movimentos do pet.

Caminha aconchegante: o seu pet também precisa ter uma cama bem aconchegante para dormir bem gostoso. Uma coberta também é importante para os dias mais frios. Se o peludo dorme na área externa, procure mantê-lo em um local abrigado e dê a opção de uma casinha, caso ele queira se aquecer mais.

Atenção especial com os filhotes e idosos: no frio, estes pets podem ser mais afetados devido ao sistema imunológico mais frágil. Enquanto os pequenos ainda estão amadurecendo as defesas do corpo, os idosos já são naturalmente mais vulneráveis por conta da idade.

Turbine a imunidade do seu pet

Existem diversos ingredientes naturais que podem trazer benefícios para a saúde dos cães e gatos. Alguns nutrientes têm o poder de turbinar a imunidade dos animais, ajudar a reduzir os riscos de várias doenças (problemas de pelo e pelagem, alergias e outras) e atuar diretamente no sistema imune, aumentando as defesas do organismo como um todo.

A fórmula pronta Equilíbrio, da Botica Pets, é feita com nutrientes funcionais provenientes da cenoura, acerola, alcachofra, clorela e levedura de cerveja que, combinados na medida certa, auxiliam na melhora do estado de saúde e bem-estar do pet.

O produto é vendido em pó, comprimido ou palitos! As fórmulas são 100% naturais. Conheça a Fórmula Equilíbrio, aqui

Imagem:<a href='https://br.freepik.com/fotos/inverno'>Inverno foto criado por wirestock - br.freepik.com</a>

Higiene bucal: os cães também precisam de atenção e cuidados com os dentes
07/07/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

 

Você sabia que 80% dos cachorros com mais de três anos de idade apresentam problemas bucais? Para evitar a perda de dentes e manter o pet saudável, é preciso ter atenção e estabelecer uma rotina de cuidados, afinal, doenças periodontais podem acarretar problemas ainda mais graves, como a migração de bactérias para órgãos vitais: rins, fígado e coração. Além da periodontite, uma inflamação que ocasiona a perda de dentes e a deterioração dos tecidos que o sustentam, como a gengiva e o osso alveolar.

O maior problema da periodontite é que seus sinais são pouco perceptíveis e de rápida progressão, iniciando com o acúmulo de placas bacterianas que evoluem para o tártaro que, por sua vez, é responsável pela deterioração dos dentes.

Por isso, é preciso ficar alerta a quaisquer alterações nos dentes ou no comportamento do pet ao se alimentar. Embora seja um problema comum nos pets, 90% dos tutores acreditam que a gengiva e os dentes do pet estejam saudáveis.

 Para te ajudar a prevenir o problema, as veterinárias da Botica Pets prepararam uma lista com 5 fatores que podem predispor ao desenvolvimento de doenças bucais nos pets. Fique atento e observe sempre se há qualquer alteração nos dentes ou gengivas do pet:

1-           Não receber cuidados básicos com a saúde dos dentes em casa, como a escovação;

2-           Apresentar cálculo dental (tártaro);

3-           Dentes mal posicionados;

4-           Demonstrar salivação excessiva;

5-           Dificuldade em mastigar os alimentos.

Seu cão está apresentando algum destes sintomas? Busque a ajuda de um veterinário especialista que poderá realizar exames bucais e propor o tratamento adequado.

Mesmo que seu pet não apresente problemas bucais, é preciso tomar alguns cuidados para prevenir o problema. Confira:

Higienização dos dentes desde filhote

A escovação diária deve acontecer a partir dos seis meses de idade e para estimular o cão a aceitar este cuidado, é recomendado que ele tenha contato com a escovação ainda nos primeiros meses de vida. Uma boa estratégia é associar a escovação a um estímulo positivo como uma brincadeira, um passeio ou um carinho.

Conte com a ajuda de um especialista

O médico veterinário tem papel fundamental na orientação de realização do procedimento e também sobre as formas de estimular o cão a aceitar a escovação. Com a orientação do profissional também é possível oferecer suplementos, investindo em composições feitas com superalimentos. A Botica Pets possui fórmulas naturais que, com ingredientes naturais, ajudam a elevar a imunidade do pet e evitar doenças. Conheça as fórmulas em forma de treats (palitinhos) da Botica Pets 

Imagem: <a href='https://br.freepik.com/fotos/cao'>Cão foto criado por master1305 - br.freepik.com</a>

 

Cuide ainda melhor do seu filhote: 5 dicas para um bom desenvolvimento
18/05/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

Enfim, o grande dia chegou: seu filhote acaba de vir para casa, antes de recebê-lo, possivelmente, você passou por momentos de pesquisa para avaliação de ONGs ou sobre o temperamento das raças com que se identifica, para garantir que o ambiente seja ideal para ele e também para que a família e o pet tenham uma ótima relação.

Esse tempo de busca e de visitas, gera ainda mais expectativa e ansiedade para os dias junto com o seu melhor amigo, mas, e agora? Como garantir que o filhote se desenvolva bem?

Separamos 5 dicas para que o seu melhor amigo viva saudável e feliz ao seu lado, basta seguir e curtir seu filhote:

Dica 1: Crie uma rotina adequada para o temperamento do pet

É preciso conhecer o seu peludo para que você consiga criar uma rotina que o deixe satisfeito e feliz. Caso ele seja mais agitado, é recomendado estimulá-lo com atividades em que ele possa gastar energia, como caminhadas e outras brincadeiras. Caso o cão tenha maior tendência ao sedentarismo, recomenda-se incluir na rotina dele atividades que o estimulem ao movimento.

Dica 2: Não há idade certa, já pode começar a adestrar

Muitas pessoas acreditam que há uma idade correta para iniciar os treinamentos com seu cão, mas, ele pode começar a ser treinado assim que chega em sua casa. Com paciência e alguns cuidados, ensinar o cão faz com que ele estabeleça um vínculo ainda maior de afeto e segurança com seu tutor.

Dica 3: Sociabilize seu filhotinho

O cão deve ser sociabilizado para que ele se torne mais seguro e menos reativo a outras pessoas, animais ou barulhos. Até os três meses, os cães têm mais facilidade de enfrentar novas experiências, então, é preciso que ele seja apresentado ao maior número de pessoas e animais possíveis e seja exposto a barulhos rotineiros, sempre sob a sua orientação para que ele se sinta seguro.

Embora pareça simples, essa atitude os faz ficar mais calmos e valentes quando mais velhos. Entretanto, é preciso ter cuidado com a forma com que o cão é exposto para que não haja traumas.

Dica 4: Seu cão precisa de um líder

Os cães devem reconhecer você como tutor e líder. Assim, a rotina de adestramento que estimula bons comportamentos e recompensa é uma boa estratégia para que isso aconteça. Não reconhecer o tutor como líder pode ocasionar agressividade e outras características relacionadas à sua tentativa de dominar o ambiente.

Isso acontece porque, naturalmente, os cães andam em matilha e para o peludo, sua matilha é a família com que convive, assim, não se trata de um mal comportamento, mas, de uma posição que o cão assume naturalmente, caso não identifique o líder.

Dica 5: Mantenha o seu filhote em segurança

Os três primeiros meses é o período que requer maior cuidado com a saúde do pet, é preciso evitar o contato com animais com problemas de saúde ou que você não conheça até que o filhote esteja totalmente imunizado com as vacinas recomendadas pelo veterinário. Para levar o filhotinho para passear, é recomendado optar por um carrinho ou levá-lo no colo, pois ele não deve correr riscos de contrair doenças.

Nesta fase, é necessário manter seu filhote em bom estado nutricional, uma boa opção é oferecer a Fórmula Gestante & Filhotes da Botica Pets que garante aporte de nutrientes para que ele possa se desenvolver com saúde, a fórmula também pode auxiliar no sistema imunológico do pet. Conheça a Fórmula Gestante & Filhote da Botica Pets. 

Siga as dicas e garanta o bom desenvolvimento do seu filhote J

Imagem: pixabay.com

4 dicas para criar um ambiente agradável para o seu cachorro
19/04/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

Mesmo rodeado de atenção, existem momentos em que o cão pode ficar entediado pela rotina ou por um período sozinho em casa, assim, móveis roídos e alguns comportamentos desagradáveis como choro, latidos e xixi fora do lugar começam a acontecer.

Neste caso, o enriquecimento ambiental é uma boa medida para distrair o peludo, criar um ambiente divertido para o cão em casa é capaz de aumentar a interação do animal com os espaços da casa de forma lúdica, mantendo o pet entretido e estimulado para exercer seus instintos naturais como cheirar, cavar, buscar alimentos, explorar, etc.

Com criatividade e paciência, seu pet terá uma rotina com mais atividades e desta forma terá mais qualidade de vida, engana-se quem pensa que adaptar o ambiente é uma tarefa difícil e complicada, confira as 4 dicas que preparamos para você, com um pouquinho de tempo e criatividade seu cachorro vai ficar menos estressado na sua ausência. Vamos lá?

1. Ofereça brinquedos

Existem brinquedos muito interessantes no mercado, mas alguns também podem ser improvisados em casa, use a criatividade!

Os brinquedos de rechear são bem interativos, pois podem guardar biscoitos e petiscos que os cães devem se esforçar para tentar tirar. Também é válido oferecer bichinhos de pelúcia, de corda ou aqueles que fazem barulho.

 

2. Proponha desafios mentais

Existem brinquedos específicos para estimular mentalmente o pet, mas algumas coisas podem ser improvisadas em casa como: oferecer uma garrafa pet com petiscos dentro, dar um coco verde para que ele possa destruir e ainda, esconder petiscos pelos locais da casa onde o pet passa para que ele tenha que procurar. Outra dica são os brinquedos inteligentes que exigem alguma ação dos animais para oferecer uma recompensa.

 

3. Modifique o ambiente

O mais importante é oferecer diferentes tipos de brinquedos com texturas, cheiros e barulhos variados. Cada animal terá preferência por um tipo, por isso, encontre o que trará maior diversão para o seu peludo.

Outro ponto é que os pets terão maior atração por objetos novos. Se você deixar os todos os objetos sempre espalhados no ambiente em que o cão vive, ele vai perder o interesse por ele. Então, faça sempre um rodízio dos brinquedos, colocando, a cada dia, um diferente. Isso ajuda a deixar o ambiente mais interessante.

 

 4. Ofereça recompensas

Uma forma divertida de estimular o pet é usar brinquedos dispensadores de alimentos, usando parte da refeição diária. Essa dica é da etóloga e especialista em comportamento de cães e gatos Denise Falck. “Isso estimula o seu instinto natural, caçar, se mover para comer. E o estímulo de cair a comida gostosa vai incentivar o pet. Também pode usar outros alimentos, frutas e legumes, com a orientação do veterinário”.

Se preferir você pode colocar a ração dentro de uma garrafa pet com furinhos. Assim, o peludo deve rolar a garrafa até que a ração saia pelos pequenos buracos.

Outros brinquedos como o kong, que não exigem uma grande movimentação é ideal para pets idosos ou que tem limitação na movimentação. “Eles vão tentar retirar o alimento com a língua e isso vai entretendo o animal sem a necessidade de grande movimentação. Isso pode motivá-lo por muito tempo e com o tempo, o tutor pode aumentar a dificuldade com alimentos mais duros, congelando o conteúdo. Agora, se ele desistir no meio do caminho, vale a pena reduzir a dificuldade, pois a ideia é que ele se divirta”, orienta Denise.

Dica extra: é importante pensar bem no petisco que oferecerá ao seu pet, a Fórmula Maracujá da Botica Pets pode ajudar a controlar a ansiedade do pet e também é encontrada em forma de petisco, conheça a Fórmula Maracujá da Botica Pets 

Imagem: <a href='https://br.freepik.com/fotos/cao'>Cão foto criado por master1305 - br.freepik.com</a>

Intoxicação com produtos de limpeza: mantenha seu pet em segurança
26/03/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

 

Os produtos de limpeza podem oferecer riscos para o seu pet, afinal a maioria deles contém ingredientes tóxicos, como o ácido bórico, o peróxido de sódio, a amônia, entre outros. Mas, manter a limpeza da casa e do ambiente em que o seu filho de quatro patas fica é essencial para a saúde e bem-estar de todos os membros da família, para isso, a utilização dos produtos é indispensável.

Mas, com atenção e cuidado, é possível deixar a casa limpa e o pet em segurança, é preciso estar atento constantemente, afinal, até mesmo os produtos mais utilizados na hora da faxina como a cândida e o cloro podem causar intoxicação, com sintomas como vômito, tontura, salivação, entre outros.

Conheça medidas simples que vão te ajudar a manter o seu pet fora de riscos:

Como evitar a intoxicação dos peludos?

A dica é guardar todos os produtos em locais bem fechados para evitar que o pet tenha acesso. Além disso, é recomendado passar água corrente para retirar os resíduos do produto e evitar que o pet lamba, caso esteja armazenada em um local em que o pet tenha acesso.

No caso dos felinos, a orientação é nunca deixar qualquer tipo de produto ao alcance do gato, evitando guardar produtos de limpeza em armários que eles consigam abrir, pois alguns podem derrubar os frascos.

Saiba o que fazer em caso de intoxicação

Em caso de suspeita de intoxicação, a orientação é levar o pet imediatamente ao veterinário. É importante informar ao profissional que fará o atendimento, se possível, o produto ingerido pelo animal. Isso facilitará os primeiros socorros e tratamento (inclusive levando a embalagem ou rótulo). Também é importante o tutor jamais tentar, de forma caseira, induzir o animal ao vômito ou usar outro método de cura, para que seja evitado o agravamento da situação.

Agora, se o produto estiver no corpo do pet, é importante retirar o excesso para evitar maior absorção da pele. Se o cão apresentar tremores ou crises convulsivas, é aconselhável envolvê-lo em uma toalha ou cobertor até chegar na emergência. Na clínica, o veterinário poderá fazer uma lavagem estomacal e a indução ao vômito. Na maioria dos casos, o pet precisará de fluidoterapia (soro) e medicamentos que auxiliem na eliminação da substância.

Fique atento aos cuidados com a limpeza de casa e mantenha seu pet sempre seguro!

Fonte: www.boticapets.com.br

Imagem: freepik.com

 

Alerta: cuidado com as pulgas no verão
01/02/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

No verão, as infestações de pulgas são mais comuns, afinal, em temperaturas mais altas, o tempo desde a eclosão do ovo até que ela se torne adulta é bem mais curto. Assim, é preciso dobrar a atenção e os cuidados com os pets, pois além das desagradáveis coceiras, as pulgas podem oferecer riscos à saúde, como alergia e até verme. Por isso, a equipe da Botica Pets reuniu dicas para te ajudar a combater as pulgas.
Mantenha a calma, aplique as dicas e vamos acabar com este problema:

Onde o meu cão pode pegar pulgas?

Basicamente em qualquer lugar: passeios na rua ou no parque, no petshop, durante o contato com outro pet e até dentro de casa (sim, as pulgas podem vir até a sua casa por meio de sapatos e roupas dos tutores).

Por que é tão difícil controlar as pulgas?

Uma única pulga é capaz de colocar mais de 50 ovos por dia, o que torna o controle ainda mais complicado. Esses ovos podem ficar por muito tempo em frestas do piso, tapetes, sofás, na casinha do pet e, quando estiverem prontos, eclodem formando novas pulgas. Para se ter uma ideia, um ovo pode eclodir no prazo de dias ou até meses.

Perigo da picada

A coceira não é o único problema causado pelas pulgas. Alergias mais graves nos cães podem ser desenvolvidas devido a estes ectoparasitas. Entre os sinais comuns estão: perda de pelo, descamação, lesões na pele, além da coceira muito intensa. Essas alergias são resultado de uma reação imunológica causada pela saliva da pulga (que contém substâncias alergênicas) ao picar o pet.

Outro problema causado pela pulga é a transmissão de um verme. Quando um cão ingere uma pulga, ao lamber-se, por exemplo, pode desenvolver o Dipylidium caninum, verme que se aloja no sistema digestivo. Como uma tênia, este parasita pode causar coceira anal nos cães, diarreias, perda de peso e constipação. Além disso, podem acometer humanos sendo, portanto, uma zoonose.

Tratamento e cuidados preventivos

Para tratar o pet é preciso pensar não somente nos medicamentos pulicidas (que matam as pulgas) mas, também, nos cuidados para tratar a infestação no ambiente em que o pet vive. Na hora de escolher o melhor produto para o pet, solicite a orientação do médico veterinário.

No mercado, você poderá encontrar uma série de produtos: sprays, pipetas, comprimidos e coleiras. Por isso, a orientação do especialista é fundamental.

Quando controlada a infestação no pet e no ambiente, será importante pensar também na prevenção. Assim, o uso do medicamento contra pulgas e controle do ambiente (como aplicação de produtos e uso do aspirador) deverão ser seguidos de acordo com a indicação do fabricante ou do veterinário.

Como proteger o pet de forma natural?

Muitos tutores já sabem a importância de proteger os pets de doenças. A prevenção ainda é a melhor forma de cuidar do seu peludo! Para isso, você pode contar com terapias naturais para todas as doenças, que têm o papel de aumentar a proteção do organismo contra parasitas oportunistas!

Um exemplo são os suplementos feitos com nutrientes que têm o poder de turbinar a imunidade do pet e ajudam a reduzir os riscos de vários problemas (obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, etc) e atuar diretamente no sistema imunológico.

 Assim, podem evitar a baixa imunidade, que ocorre quando o sistema de defesa do organismo não está conseguindo proteger o corpo contra agressões externas (bactérias, fungos, protozoários, vírus) e acaba não combatendo enfermidades adequadamente.

Conheça a Fórmula Equilíbrio da Botica Pets e turbine a imunidade do seu pet.

 

Imagem: freepik.com

 

1 2